Games and Health | Exploring Game Studies, Communication and Health

Sonhos Mais Pacíficos

Pesquisas têm demonstrado que as pessoas, especialmente os adolescentes, usam mídias de conteúdo violento e/ou assustador como forma de “treino” para lidar com os problemas cotidianos que, embora bem mais corriqueiros, ainda assim geram muita tensão.  A idéia é de que tais mídias (histórias, quadrinhos, filmes e jogos) nos dão um ambiente seguro tanto para se expor a idéias que provocam ansiedade quanto para desenvolver estratégias cognitivas para lidar com as mesmas.

De forma semelhante, a “threat simulation theory” desenvolve a idéia de que nossas mentes naturalmente usam uma tática semelhante toda noite enquanto dormimos, gerando pesadelos com ameaças irreais que de alguma forma nos auxiliam a desenvolver as habilidades cognitivas para lidar com os desafios do dia a dia.Uma pesquisa realizada no Grant MacEwan College, no Canadá com mais de 1400 estudantes conseguiu apontar a semelhança dos dois mecanismos. Gakenbach and Kuruvilla1 estudaram as diferenças entre sonhos experimentados por entusiastas de jogos violentos e os de não-jogadores. Os achados demonstraram que, ainda que os usuários de jogos violentos tivessem sonhos com imagens violentas com muito mais freqüência (provavelmente devido à exposição constante), durante tais episódios os mesmos experimentaram muito menos stress que os não jogadores. Uma pesquisa posterior relatou que os jogadores tinham sonhos muito mais ricos em imagens incongruentes, mas a despeito disso o impacto emocional destes sonhos era bem reduzido. Os pesquisadores sugerem que esta variação no tipo de sonhos pode representar habilidades de solução de problemas menos ortodoxas por parte dos jogadores e talvez tenham impacto sob as formas de criatividade apresentadas por eles.

Estas idéias fazem eco ao livro “Killing Monsters”, de Gerard Jones, onde o autor argumenta que fantasias violentas são essenciais para que as crianças possam desenvolver sua maturidade. Pelo jeito a discussão sobre violência nos jogos está bem longe de ser uma questão tão maniqueísta quanto certos legisladores querem fazer crer…

1 Gackenbach, J. & Kuruvilla, B. (2008). The Relationship Between Video Game Play and Threat Simulation Dreams. Dreaming, 18 (4), 236-256.

via The Psychology of Video Games

FacebookTwitterGoogle+EmailShare
Back to Top

Write a Comment

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

%d bloggers like this: