Games and Health | Exploring Game Studies, Communication and Health

Paternidade nos jogos

Uma matéria no site Kotaku (“The Daddening Of Video Games”) fala sobre o número crescente de protagonistas em jogos que são pais.  Há pouco tempo atrás, o típico herói dos vídeo-games era um jovem cavaleiro, piloto ou lutador sem nenhum tipo de vínculo familiar. Familiares apareciam como meros ganchos para a história, como a irmã que deveria ser resgatada ou o pai assassinado que deveria ser vingado.

Os últimos lançamentos, entretanto, parecem estar mudando isto. Jogos como Silent Hill Shattered Memories, Bioshock 2 Heavy Rain põem o jogador no papel de pais que precisam cuidar e proteger seus filhos (ainda que adotivos).  O autor especula sobre as razões desta mudança e acredita que a mais proeminente são os avanços técnicos que permitem representar de modo mais realista a aparência e o comportamento de crianças, gerando de fato uma empatia do jogador para com o personagem virtual.

Uma outra possível razão, citada por ele,  e que considero mais marcante até, é que grande parte dos jogadores estão entrando numa faixa etária onde a paternidade é mais comum (a média de idade do jogador americano é 33 anos). Se antes o jogador típico geralmente estava no período da adolescência ou início da vida adulta, hoje um número muito grande constituiu família e muitos deles inclusive já são pais. Esta percepção pode estar ocorrendo na indústria em paralelo, na medida em que os próprios gamedesigners (tipicamente profissionais jovens) também se tornam mais maduros e acabam por traduzir suas motivações, medos e anseios nos protagonistas dos jogos que criam.  Seja como for, o fato é que os jogos estão crescendo…

FacebookTwitterGoogle+EmailShare
Back to Top

There are 2 Comments to "Paternidade nos jogos"

  • Inesita says:

    Marcelo, interessante relacionar a mudança , além dos links que você já estabeleceu, a um movimento da sociedade em torno de valorização da paternidade. Assim podemos explorar também a relação dos jogos no espaço virtual com o que ocorre no mundo não virtual, algo que você já vem observando e comentando há tempos. Os jogos tanto sofrem influência do movimento da sociedade como influem neste movimento e esta relação é um dos pontos centrais no argumento de sua tese e deve ser comprovada, para ser legítima.

    • Marcelo de Vasconcellos says:

      É verdade, não tinha feito esta conexão, mas de fato é possível ver esta valorização da paternidade em diversas áreas da cultura pop que não os jogos. Nas histórias em quadrinhos já há vários super-heróis que são pais (Sr. Fantástico, Nômade e até o Batman) e no cinema é interessante ver o amadurecimento dos heróis de ação. Atores de filmes de ação como Arnold Schwarzenegger, Harrison Ford e Bruce Willis não foram substituídos por outros mais novos. Eles continuam fazendo filmes de ação, mas agora são mostrados compartilhando suas aventuras (e desventuras) com seus filhos.

Write a Comment

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

%d bloggers like this: